Esqueça os aplicativos!
Veja os melhores jogos analógicos
para fazer em grupo!

Esqueça os aplicativos! Veja os melhores jogos analógicos para fazer em grupo!

Reunir os amigos é sempre uma alegria, mas, nos dias de hoje, parece que até em confraternizações as pessoas tendem a manter um pouco mais de distância, focadas em suas redes sociais e smartphones. Já parou para pensar quanto tempo não faz uma brincadeira ou jogo em grupo, com a possibilidade de divertir e reunir os colegas?

Estudos científicos indicam que jogos que devem ser jogados a partir de duas pessoas, como os jogos de tabuleiro, por exemplo, diminuem o risco de problemas mentais e são excelentes aliados contra a depressão1. Comumente, esses jogos exigem um pensamento lógico mais apurado e comunicação contínua entre os participantes, o que é ótimo para a diminuição da ansiedade social.

Ao convidar seus amigos para uma partida de Banco Imobiliário, por exemplo, você terá uma ótima fonte de controle de estresse e ansiedade dentro de um ambiente com regras definidas.1

Diga não à solidão

Os jogos analógicos e em grupo vão na contramão dos jogos mais modernos e disponíveis em aplicativos de celular. Os jogos novos, assim como os antigos, também proporcionam a oportunidade de raciocínio lógico, mas acabam falhando quando o assunto é interação social.1

Estudos recentes demonstram que o isolamento social está relacionado a maior risco de doenças cardiovasculares e estresse crônico. E um dos motivos que proporcionam o aumento da solidão é a maneira como passamos a nos relacionar após a internet, que oferece uma maior conectividade, mas pode, ao mesmo tempo, diminuir o contato pessoal.2

Mas não se preocupe com isso, pois não existe maneira melhor do que reunir um grupo de pessoas do que um jogo divertido e 100% analógico. Separamos 10 opções bem fáceis para você arrasar e colocar em prática já na próxima confraternização. Confira:

1

Mímica

Assim como a maioria dos jogos antigos, é preciso muito pouco para poder se divertir com o jogo da mímica. Basta eleger um tema e pedir para os convidados escreverem nomes em papéis, que pode ser de filmes, personagens, bandas ou personalidades. Depois basta sortear e esperar a apresentação onde não dever ser dita nenhuma palavra.

O jogo da mímica ajuda, além da socialização, no aperfeiçoamento para transmitir suas emoções. Falar o que sente pode ser muito simples para um ser humano saudável, mas expressar todo um contexto sem dizer uma só palavra exige muito do cérebro e estimula a criatividade.

2

Quem sou eu?

Essa é versão reversa da mímica, onde é o jogador que não sabe quem ele está interpretando. Novamente, use papel e caneta e escreva o nome de um personagem, que deverá ser entregue ao jogador da sua direita. Ele deve colocar o papel na testa e fazendo perguntas aos companheiros, que vão dar dicas até o participante acertar.

Dessa vez a mente não vai trabalhar para fazer movimentos corporais e sim com a capacidade lógica de associação. O jogador terá que fazer as perguntas certas para conseguir a resposta exata, sempre trabalhando com a eliminação e capacidade de interpretar os gestos dos amigos.

 

3

Stop!

Esse é um jogo clássico brasileiro e possui outros nomes, como adedonha e adedanha. O primeiro passo é definir nome de pessoas e objetos que deverão ser preenchidas de acordo com a letra sorteadas. As categorias mais comuns são Nome, Animais, Cores, Automóveis, Cidade, Profissão, etc.

Os jogadores mostram os dedos e contam qual letra foi a escolhida, sendo um dedo a letra A, dois dedos a letra B, três dedos a letra C e assim por diante. O jogador que preencher a tabela primeiro deve gritar "Stop" e, assim, os demais devem largar as canetas. Ganha quem somar mais acertos!

O jogo exige que você seja rápido e, ao mesmo tempo, tenha uma ótima memória. Afinal, quem é que consegue lembrar uma fruta com a letra N?

4

Detetive

Esse jogo fica mais interessante quando participam seis ou mais jogadores.

Forme um círculo, onde os convidados fiquem um de frente para outro e sorteie papéis escritos com a letra "A", de assassino, "D" de detetive e "V" de vítima.

O jogo tem apenas um assassino e um detetive, os demais são vítimas. A ação do jogo é comandada pelo assassino, que deve piscar para "matar" suas vítimas sem ser pego pelo detetive. Se matar todas as vítimas sem ser pego, o assassino sai vencedor. Caso descubra quem é o vilão, o detetive deve dizer: "preso em nome da lei".

Se você for o assassino do jogo, terá que traçar uma estratégia para não ser pego e, caso seja o detetive, terá que ficar muito atento aos movimentos dos demais jogadores.

5

Jogo do dicionário

Reúna seus amigos, pegue um dicionário e confisque os celulares para não haver trapaça. Cada participante deverá abrir em uma página aleatória e escolher uma palavra que os demais jogadores deverão adivinhar o significado.

Cada palpite será colocado em um papel e entregue ao jogador que escolheu a palavra, que lerá um por um. Os participantes vão votar em qual definição acham que é a correta.

Cada pessoa que ganhar um voto, ganha também um ponto no jogo. Quem votar na definição correta ganha dois pontos e, caso ninguém tenha acertado, o jogador que escolheu a palavra ganha três pontos.

Esse jogo aumenta o vocabulário dos participantes e também exercitam a memória, já que exigem que os participantes busquem na mente se já ouviram aquela palavra antes.

6

Baralho

O jogo de cartas é convidativo pois é muito fácil achar um baralho por perto. Algumas opções se adequam ao número de grupos e ao estilo de jogo que precisam. Do mais simples pif-paf, até o complexo pôquer, passando pelo truco, 21 e buraco.

Mais uma vez entra em ação a capacidade de fazer cálculos e de tomar decisões, afinal, qual carta vale a pena descartar ou deixar na mão? Essa sempre será a pergunta crucial.

7

Jogo do tato

Esse jogo pode render muitas risadas. O anfitrião deve disponibilizar alguns objetos da sua casa para a brincadeira e o jogador da rodada deverá adivinhar que objeto é esse usando uma venda.

O jogo exercita a imaginação e a capacidade de identificar objetos apenas com o tato. A memória também é ativada para fazer associações com objetos que o jogador conhece.  

8

O que mudou?

Voltando aos jogos que não precisam de acessórios, chegamos ao “o que mudou?”. Quase uma brincadeira infantil, esse é o jogo dos sete erros da vida real. As regras são bem simples: o grupo escolhe um cômodo da casa e o jogador da vez fica sozinho neste cômodo, para poder mudar algum objeto de lugar.

Ao retornarem, os demais devem adivinhar o que mudou naquele local. A dica é fazer mudanças sutis e difíceis para que o jogo fique mais interessante. Outra maneira de jogar é fazer com que apenas uma pessoa saia do cômodo e o grupo provoque mudanças no ambiente.

Essa brincadeira exercita a memória visual, pois para sair vencedor é preciso prestar muita atenção no ambiente e lembrar como ele estava antes da rodada. É uma habilidade para poucos.

9

Jogo do desenho

Se você gosta do jogo da mímica, irá se divertir com esse também. O contexto é o mesmo, mas ao invés do jogador se desdobrar para mostrar com gestos a resposta, ela deverá ser feita em forma de desenho. O jogo fica ainda mais divertido quando os convidados são péssimos desenhistas.

Também desenvolve a capacidade criativa e de transmitir emoções. Em uma brincadeira simples, podemos ver a maneira que as pessoas enxergam o mundo e como representa objetos do cotidiano.

10

Jogo da pergunta

O grupo coloca em pedaços de papel algumas situações ou lugares, como "almoço na casa da sogra" ou "viagem pela Europa". Os participantes deverão fazer dois grupos e escolher a ordem de participação de cada um.

O jogo funciona assim: após o tema ser sorteado, um participante de cada grupo fica de pé e começa o diálogo com seu concorrente. A única regra é que nesse diálogo só deverá haver perguntas. Por exemplo:

- Olá, tudo bem?
- Tudo bem, e você?
- Sim, você vem sempre aqui?
- Não, nem sei onde estou. Você sabe?

O jogador que não conseguir formular uma pergunta ou ficar mais de 5 segundos sem responder sai do jogo e abre espaço para o próximo jogador da sua equipe. O jogo acaba quando todos os jogadores de uma equipe forem eliminados.

Essa atividade exercita a criatividade, pois o cérebro humano é programado para reagir a uma pergunta sempre com uma resposta afirmativa. Responder com outras perguntas é um exercício mental muito grande e mais difícil do que parece!

Referências bibliográficas:

1. Nakao M. Special series on "effects of board games on health education and promotion" board games as a promising tool for health promotion: a review of recent literature. Biopsychosoc Med. 2019;13:5.
Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6380050/ - Acesso em 14 de agosto de 2019.

2. Xia N, Li H. Loneliness, Social Isolation, and Cardiovascular Health. Antioxid Redox Signal. 2018;28(9):837–851.
Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5831910/ - Acesso em 14 de agosto de 2019.

Mímica
https://www.estrela.com.br/jogo_de_mimica/p
https://br.guiainfantil.com/materias/cultura-e-lazer/jogos/dez-beneficios-dos-jogos-de-mimica-para-as-criancas/

Quem sou eu?
https://www.estrela.com.br/eu_sou/p

Stop!
https://delas.ig.com.br/filhos/brincadeiras/stop/4e42d62d5cf358183f00001a.html

Detetive
https://jogolaxia.com/artigos/melhores-jogos-para-jogar-com-lapis-papel

Jogo do dicionário https://isadorabertolini.wordpress.com/2014/03/20/20-brincadeiras-que-precisam-apenas-de-lapis-e-papel/

Baralho
http://copag.com.br/regras-do-jogo/

Jogo do tato
https://www.tempojunto.com/2014/12/30/as-melhores-brincadeiras-em-familia/

O que mudou?
https://lunetas.com.br/25-brincadeiras-para-fazer-em-familia/
https://demonstre.com/jogo-dos-7-erros-humano/

Jogo do desenho
https://www.lojagrow.com.br/jogo-imagem---acao-2---grow-01709/p

Jogo da pergunta
https://www.teatronaescola.com/index.php/planeje-sua-aula/jogos-e-exercicios-teatrais/item/80-just-questions-so-perguntas

SABRAGE.MDY.19.08.0323