logo Conta, mana - Medley

Dia Internacional da Mulher

Quebre os padrões!
A liberdade e o poder da autoaceitação

No mundo em que vivemos, a mulher tem exercido uma diversidade de papéis culturais, seja como cuidadora e mantenedora do lar, ou como empresária administradora e provedora de serviços. No entanto, quando falamos de saúde mental, essa população também sido mais prejudicada em alguns diagnósticos, destacando-se os transtornos mentais comuns (TMC), expressão criada para caracterizar sintomas como insônia, fadiga, irritabilidade, esquecimento, dificuldade de concentração e queixas somáticas.1

Em termos gerais, transtornos mentais comuns designam situações de sofrimento mental. Para se ter uma ideia, na população ocidental a prevalência de transtornos mentais como esses estão presentes em 20% das mulheres, enquanto atingem 12,5% dos homens.1

Os quadros depressivos correspondem ao terceiro problema de saúde entre mulheres residentes em países desenvolvidos e ao quinto entre as mulheres de países em desenvolvimento. Além dos sintomas depressivos, entre os transtornos mentais que predominam entre as mulheres, estão aqueles relacionados aos fatores psicossociais e ambientais, como transtornos de ansiedade, transtornos de ajustamento, insônia, estresse, transtorno da alimentação e anorexia nervosa.1

Estudos mostram que mulheres têm apresentado consideravelmente mais sintomas de angústia psicológica e desordens depressivas do que homens. Ao contrário do que ocorre com os homens, a inserção feminina no mercado produtivo é limitada por suas responsabilidades domésticas e familiares, tendo o emprego que ser adaptado a estas funções.1

Autoaceitação e saúde mental

Você sabe o que é a autoaceitação e seus efeitos para a saúde mental? Entender como praticar o amor-próprio pode ser um desafio principalmente para meninas e mulheres mais jovens. Estudos mostram que, no caso das mulheres, a autoestima e confiança tendem a se fortalecer conforme a idade avança. Em termos gerais, a autoestima entre os homens aumenta 8,5 pontos percentuais entre os 25 e 61 anos, enquanto a das mulheres cresce 29 pontos, três vezes mais.2 Logo essa autoestima no caso das mulheres é construída de uma forma mais tardia que em homens.

Outro estudo feito com mulheres brasileiras levou em conta cinco fatores determinantes para a formação da autoestima: autonomia financeira, autonomia sexual e corporal, liberdade de pensamento e expressão, representatividade e conexões sociais. De acordo com o levantamento, a mulher brasileira encontra certo equilíbrio entre essas dimensões citadas, mas os quesitos conexões sociais. De acordo com o levantamento, a mulher brasileira encontra certo equilíbrio entre essas dimensões citadas, mas os quesitos conexões sociais e representatividade foram os que tiveram menor influência nessa autoestima.3

O que fazer?

Ter uma atitude positiva com relação a si mesma pode reduzir sentimentos negativos e melhorar o equilíbrio emocional. Isso quer dizer que você está reconhecendo múltiplos aspectos de si mesma, incluindo as boas e más características e sentindo-se positiva sobre o que já passou em sua vida.4

Um bom relacionamento com os outros também pode ajudar nesse processo, com desenvolvimento de confiança e capacidade de se preocupar também com bem-estar alheio. Também deixe-se avaliar com autonomia, de acordo com seus padrões e seu olhar sobre si mesma, e não os dos outros.4

Defina objetivos na vida e mantenha o senso de direção. É importante dar significado no seu momento atual e no passado, mantendo crenças que dão vida aos objetivos. Com isso vem a sensação de desenvolvimento contínuo, com o crescimento e abertura para novas experiências. Veja o melhor de si mesma e observe seu comportamento ao longo do tempo.4

Rede de apoio

Vamos lá, se aceite. Ouvimos isso aos montes em propagandas, campanhas e páginas na internet. Mas ficar bem com saúde mental não é tão simples como querer e, para que o processo seja menos conturbado, uma ajuda sempre é bem-vinda: seja profissional ou de pessoas que passam pela mesma situação que você.

As redes sociais provocaram uma revolução na interação entre as pessoas e esse avanço pode ser uma boa notícia para jovens que sofrem de problemas de saúde mental, já que gera uma oportunidade para que possam ler, assistir, ouvir e entender as experiências de saúde de outras pessoas.5

De acordo com a Royal Society For Public Health, compartilhar problemas ou questões com amigos, colegas e redes sociais mais amplas pode ser classificada reação positiva.5

Foi assim que a vendedora Iza Franco, 43 anos, decidiu ajudar pessoas com vitiligo a se entenderem. Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, o vitiligo é uma doença caracterizada pela perda da coloração da pele e lesões cutâneas de hipopigmentação, ou seja, manchas brancas na pele com uma distribuição característica. No entanto, o vitiligo não é contagioso e não traz prejuízo à saúde física.6

Por causa do desconhecimento sobre o assunto, ela conta que muitas mulheres acabam se sentindo envergonhadas de mostrar partes do corpo com o vitiligo, acarretando em problemas emocionais e impactos na saúde mental. Ela criou uma comunidade em uma rede social, onde posta fotos quase que diariamente, como forma de incentivar outras mulheres a se sentirem mais seguras com a própria imagem. "Hoje somos em 400 pessoas no grupo e creio que tenho ajudado muitas mulheres, que sempre me chamam no privado para falar principalmente das dificuldades nos relacionamentos".

Aline Oliveira Cabral tem 36 anos e foi aos 15 anos, quando tornou-se cadeirante depois de um acidente, que ela passou por todo um processo para se entender novamente. Ela conta que não era vaidosa antes do acidente, mas que a sua vida mudou depois que tornou-se cadeirante e ela começou a praticar o amor próprio. "Passei a postar muitas fotos e, algum tempo depois, comecei a fazer algumas matérias para televisão. Minha autoestima foi aumentando e comecei a fazer propagandas".

Com esse processo de autoaceitação, ela virou modelo fotográfica, fez teatro e entrou para um projeto chamado Fashion Inclusivo, voltado para pessoas com vários tipos de deficiência.

Ela diz que os grupos nas redes sociais ajudaram muitas pessoas a passarem pelo processo de aceitação e encontrar o equilíbrio emocional, mas, por outro lado, nem tudo é tão "perfeito" como o que é postado nos perfis. "As redes sociais mostram os lados bons, mas não mostram os 'corres' e o tanto de trabalho e dificuldades que tivemos para chegar em algum lugar"

Assim como a Iza, Aline acredita que seja uma fonte de inspiração para outras mulheres que querem fazer as pazes com sua própria imagem. Como vimos, há muitas maneiras de ajudar mulheres em momentos difíceis. A rede de apoio pode partir de todas nós, com as pessoas mais próximas, mas também para desconhecidos. A vivência de cada um pode ser o diferencial para momentos de angústia.5

Juntas somos mais fortes

Além de mulheres que se engajam em redes sociais para dar suporte e ouvir quem precisa de ajuda, existem outras iniciativas que vão além.

O Coletivo Maria, por exemplo. É uma iniciativa que visa o empoderamento da mulher de forma que ela possua liberdade de escolha, independentemente de sua situação socioeconômica, crença, raça ou cor. 7

"Acreditamos que toda Mulher tem capacidade, além de valor único e inestimável. Levá-las a acreditar nisso fará com que elas realizem feitos incríveis capazes de transformar sua vida, sua família e a comunidade ao seu redor", diz a página do projeto.7

Algo semelhante faz o "Conexão Musas", um programa do Instituto Empodera, que tem como missão conectar mulheres em situação de vulnerabilidade através de processos e projetos que possibilitem e fortaleçam o desenvolvimento pessoal e autonomia.8

Essas e outras instituições que projetam o fortalecimento feminino você pode encontrar na nossa página de projetos apoiados pela Medley com a plataforma Atados!9

Conta, mana

conta-mana

Para que muitas mulheres não se sintam sozinhas ao atravessar essa jornada que a Medley tem o projeto "Conta, mana", que apoia e conscientiza mulheres sobre a importância do bem-estar mental e do autocuidado.Para que muitas mulheres não se sintam sozinhas ao atravessar essa jornada que a Medley tem o projeto "Conta, mana", que apoia e conscientiza mulheres sobre a importância do bem-estar mental e do autocuidado.

A Medley ouviu mulheres reais para refletir sobre problemas reais. Por meio de conteúdos e um mapa da saúde mental para mulheres, você encontra informação e ajuda profissional gratuita o mais perto possível da sua casa.

Referências bibliográficas:

1. Prevalência de transtornos mentais comuns em mulheres e sua relação com as características sociodemográficas e o trabalho doméstico. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbsmi/a/6vSkSdfMXfDsWj9q9RFymcd/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 2022, fevereiro;

2. Research: Women Score Higher Than Men in Most Leadership Skills. Disponível em: https://hbr.org/2019/06/research-women-score-higher-than-men-in-most-leadershipskills. Acesso em: 2022, março;

3. Kantar. What Women Want? - Disponível em: https://movimentomulher360.com.br/wpcontent/uploads/2019/10/WhatWomenWantBrasil2019.pdf. Acesso em: 2022, março;

4. Happiness is everything, or is it? Explorations on the meaning of psychological wellbeing. Disponível em: https://www.scinapse.io/papers/1966603703. Acesso em: 2022, fevereiro;

5. Royal Society for Public Health. Social media and young people's mental health and wellbeing. Disponível em: https://www.rsph.org.uk/static/uploaded/d125b27c-0b62-41c5-a2c0155a8887cd01.pdf - Acesso: 2022; fevereiro;

6. Sociedade Brasileira de Dermatologia. Vitiligo. Disponível em: https://www.sbd.org.br/doencas/vitiligo/. Acesso em: 2022, fevereiro;

7 Coletivo Maria. Disponível em: https://www.atados.com.br/ong/coletivo-maria. Acesso em: 2022, fevereiro;

8. Instituto Empodera. Disponível em: https://www.atados.com.br/ong/institutoempodera. Acesso em: 2022, fevereiro.

9. Atados. Disponível em: https://www.atados.com.br/causa/mulheres. Acesso em: 2022, fevereiro.

MAT-BR-2201133