BENEFÍCIOS DA PSICOTERAPIA NO TRATAMENTO DA DEPRESSÃO

Este conteúdo foi útil para você?

Foi-se o tempo em que se acreditava que a psicoterapia era destinada apenas a pessoas "fracas". Esse preconceito, que perdurou décadas, já foi desbancado por estudos que mostram que falar sobre os próprios sentimentos ajuda – e muito – no tratamento da depressão[1].

Os benefícios da psicoterapia são bem pragmáticos. De acordo com o psiquiatra Luis Altenfelder, membro da Associação Brasileira de Psiquiatria, a psicoterapia auxilia o paciente a compreender melhor a depressão e aumenta a adesão ao tratamento médico. "Ela ajuda a se dar conta dos fatores estressores que contribuem para o quadro depressivo, e faz com que a pessoa entenda que muitas das alterações físicas e dos pensamentos negativos fazem parte dos sintomas que caracterizam a depressão", diz o médico. Com isso, o deprimido passa a entender que o que está sentindo é em decorrência da doença. Acredite: a depressão não é fraqueza ou conspiração do universo, e sim uma doença tratável[2].

Sessões semanais com um psicoterapeuta também contribuem para identificar pensamentos, conflitos e distorções na interpretação dos fatos na vida – que compõem a chamada distorção cognitiva[3]. Este auto-conhecimento ajuda a amenizar a depressão, e previne recaídas no futuro[1].

Poder falar e ser compreendido faz um bem danado: em cada sessão, o profissional vai ouvir, intervir e mostrar alternativas que o deprimido muitas vezes não enxerga por causa da doença. Ao estimular a reflexão sobre o transtorno depressivo, a psicoterapia contribui para a melhora dele como um todo.

Terapia ajuda a modular o cérebro

É fato: a depressão acontece por uma alteração química em certas partes do cérebro, que impede que as emoções sejam processadas da forma natural, levando aos sintomas da depressão[4]. Ainda não se sabe ao certo o motivo de o cérebro sofrer esse desequilíbrio, mas causas genéticas e ambientais podem contribuir para essa predisposição.

A boa notícia é que a psicoterapia consegue ajudar na regulação da química cerebral: ela tem capacidade de modular o comportamento por meio da cognição, ou seja, ela traz um estímulo positivo capaz de mudar a emoção. Em outras palavras, a psicoterapia consegue influenciar positivamente nos processos mediados por uma parte do cérebro chamada de córtex pré-frontal, a memória operacional e a tomada de decisões[5].

A psicoterapia, portanto, é capaz de regularizar a transmissão de serotonina, modulando o cérebro com a continuidade do tratamento.

Veja os benefícios comprovados da psicoterapia na depressão [3]:

  • Você aprende mais sobre o seu humor;
  • Consegue identificar melhor seus sentimentos;
  • Aprende a identificar os pensamentos que pioram o quadro depressivo;
  • Consegue entender melhor seus comportamentos;
  • Entende como ter mais controle sobre sua vida;
  • Desenvolve defesas emocionais saudáveis e sólidas para lidar com situações

Aderir ao tratamento é fundamental

É importante lembrar que a psicoterapia é um tratamento longo, que exige comparecer assiduamente às sessões com o terapeuta. Mas, por vezes, a própria depressão faz o desânimo falar mais alto e a vontade de faltar vai ser forte. Nesse caso, faça o esforço que puder para estar presente, já que – assim como medicações potencialmente prescritas pelo médico – a psicoterapia também precisa de doses regulares. Se faltou em uma sessão, não se culpe, mas procure remarcar tão logo o ânimo voltar. Psicoterapia faz bem, e é uma das melhores formas de cuidar de você.

Referências:
 

[1] Mijung Park, Pim Cuijpers, Annemieke van Straten et al. The effects of psychotherapy for adult depression on social support: A meta-analysis. HHS Author Manuscripts. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4465276/

[2] American Psychiatric Association. Depression. Disponível em: https://www.apa.org/topics/depression/index.aspx

[3] Mayo Clinic. Psychotherapy. Disponível em: https://www.mayoclinic.org/tests-procedures/psychotherapy/about/pac-20384616

[4] [1] Marije aan het Rot, Sanjay J. Mathew, Dennis S. Charney. Neurobiological mechanisms in major depressive disorder. CMAJ.JAMC. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2630359/

[5] Gabriel S. Dichter, Moria Smoski. Effects of Psychotherapy on Brain Function. Psychiatric Times. Disponível em: http://www.psychiatrictimes.com/major-depressive-disorder/effects-psychotherapy-brain-function

SABRAGE.MDY.18.11.0362

 

Cansaço mental: por que estamos todos no limite?

Um estudo feito pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), mostrou que logo nos primeiros meses da pandemia, 80% da população brasileira estava mais ansiosa

5 maneiras simples de combater os primeiros sinais de ansiedade

O isolamento, o medo de contágio e mudanças drásticas na rotina fizeram com que parte da população apresentasse quadros de ansiedade.

Racismo e depressão: como o ambiente influencia o estado de espírito

Estresse provocado por experienciar racismo cotidianamente pode deixar a população negra mais vulnerável ao transtorno.

FIBROMIALGIA NÃO É FRESCURA, ENTENDA MAIS SOBRE ESSA DOENÇA SILENCIOSA

A fibromialgia é uma doença silenciosa e de difícil diagnóstico, mais comum entre as mulheres. Veja quais são os sintomas e o tratamento

Este conteúdo foi útil para você?